21 dezembro 2015

Mistério explicado

É moda. E a moda também chega à terrinha escondida no meio do nada

Os funcionários públicos

As maravilhas das terras pequenas. Saí de casa às 15h00, fui a pé à repartição, uns bons dez minutos a andar em passo rápido. O tempo suficiente para aquecer as pernas caminhando. Tirei a senha, o meu número tocou quase imediatamente, tratei do meu passaporte novo, negociei o prazo com a funcionária, ela sorriu e desejou-me bom Natal, saí enquanto chegava uma trupe de gente. Eram muitos, mas aposto que a maioria eram acompanhantes, talvez duas pessoas estivessem realmente interessadas nos serviços da repartição. Devem ter programado chegar pouco antes da hora do fecho. Saí. Às 15h30 já estava cá fora ao frio.

13 dezembro 2015

Já não andava de metro desde Berlin

Miúdas, teenagers inconscientes, de casaco de homem, uns 4 ou 5 tamanhos acima dos delas. Verdes, largos, compridos, com bolsos enormes, fazem-me lembrar casacos de ir à caça. Conversam sobre os jeans com rasgões, feitos por uma delas, collants pretos por baixo. Os rasgões são largos demais, como se faziam no início dos anos 90, antes de começarem a vendê-los com rasgões já feitos, que se desfaziam muito menos com o uso. Lembro-me de querer ter calças de ganga assim, com aquela idade, de não ter coragem para estragar um par com buracos, e da alegria que foi quando, acidentalmente, uma das minhas calças favoritas fez um buraquinho na perna, que rapidamente aumentou até ocupar meia perna, na horizontal.
Pergunto-me se terão comprado os cascos já assim, ou se os terão levado emprestados do pai ou avô. As miúdas são magritas, e estas coisas costumam ser, até certo ponto, genéticas, pelo que duvido que o pai ou avô tivessem casacos tão largos. O casaco do meu pai não me ficaria assim tão grande. Não há muito tempo as miúdas roubavam as camisolas aos namorados. Depois foi a vez das calças de ganga. Não há rapazes que usem casacos daqueles. Não há homens abaixo dos 50 anos a usar casacos daqueles. Nem sei se é moda ou rebeldia. De repente, fico com calor, tiro o meu próprio casaco.

10 dezembro 2015

Quando ficas à espera de uma prenda de Natal

Eu, adepta do marketing nas suas várias vertentes (produto, preço, promoção e publicidade), fico de mau humor quando, na minha opinião, o marketing corre mal.
Por exemplo, quando as ofertas para novos clientes são melhores que as condições oferecidas aos clientes fieis. O que acontece quase sempre. No mercado, a fidelidade não compensa.
A outra, é a promoção natalícia do tipo pague um leve dois. Se o segundo chega depois do Natal, lá para os idos de Março, a promoção perde o interesse. Carvão no sapatinho, era o que devia receber o autor de tão brilhante ideia.

Superman

Tenho um amigo que se acha um super-herói. E às vezes salva mesmo o mundo. Se todos fizermos o mesmo, um bocadinho de cada vez, isto vai lá,

08 novembro 2015

Uma rapariga prendada, umas mãos de fada

E quando pensavas que te tinhas livrado de vez da tortura que tinha sido a aula de trabalhos manuais no ciclo, a professora da tua filha pede-te para fazeres um fato para a festa de Natal. Usando materiais que provavelmente o resto do mundo tem em casa, mas tu não tens. Assumindo que sabes o que é uma agulha e linha, quiçá uma máquina de coser. Entras em choque, vês a tua vida a andar para trás em espiral a uma velocidade estonteante. De repente tens 10 anos e chegas a casa com lã enfiada num cartão num padrão ondulante, que supostamente se transformará, milagrosamente, numa carteira. Choras a tarde toda até que a tua mãe transforma a porcaria que tinhas começado a fazer numa carteira bonitinha. Só a parte de baixo, que tu tinhas começado, está imperfeita, a desfazer-se, mas ninguém vai recomeçar, pode ser que a professora não note.
Fazes um fast forward, e lembras-te do dia em que a tua própria filha chegou a casa com exactamente a mesma coisa da escola. Bem, quase a mesma coisa, no caso dela não dava a volta pelo que o resultado final era um rectângulo tecido colorido. Que ela tinha feito sozinha, na escola. Perfeitinho. O dia em que deste graças por a miúda sair à avó, ou ao pai, e suspiraste de alívio por saber que não terias que ajudar, ou fazer o trabalho por ela.
Quando pensavas que já te tinhas safado destas coisas para o resto da vida, chegam os teatros. As peças elaboradas, os ensaios, e a parte dura, que te vai calhar a ti: os fatos. Maldizes o facto de estares a milhares de quilómetros de distância da tua mãe, suspiras pelo dia em que a tecnologia tornará possível a impressão de roupa com um clique, e metes mãos ao trabalho. Dez minutos depois, a solução: uma loja de máscaras na internet.

15 outubro 2015

Das coisas que ficam por fazer

Enquanto não escrevo no blogue, acumulo milhas, fotografias, aventuras. Nem sempre há disposição para escrever.
Gosto muito da foto que aqui publico. Fui feliz ali,por uns dias, e ainda assim deixei coisas por fazer. Aqueles kayaks chamavam por mim, tanto que lá voltei, por eles, e ainda assim não consegui ter o tempo que precisava para passar um dia - que umas horas era pouco - num deles. Dei o passeio no google earth, imaginei quantas horas seriam necessárias para passar nos canais todos, para no final, ficar apenas com um passeio planeado mas por fazer. Fica para a próxima. Há sempre alguma coisa que fica para outra oportunidade.
Por esta vez, fiquei-me pelo seafood chowder, a água quentinha do Pacífico, os pássaros estranhos, as baleias à beira da praia, e tantas outras coisas. Até agora, achava que só quando ia a Portugal tinha férias a cem à hora, em que todos os bocadinhos do dia eram preenchidos com alguma coisa para fazer, sítios a visitar, pessoas com quem estar, e no fim ainda ficava com a sensação que não tinha feito tudo o que queria. Devo ter praticado tanto que extrapolei a experiência para onde quer que vá. Things to do, places to see. É a minha vida, ao sabor do vento, sem planos, muitos "logo se vê", e ainda assim sobram poucos minutos para me sentar, computador no colo a fazer nada. E acaba sempre por haver qualquer coisa que não tive tempo de fazer.

 



13 setembro 2015

Calcorreando o mundo

Almoço inter-geracional. A geração mais nova entretém-se com o telemóvel por uns momentos. As maravilhas da internet. A geração mais velha, conta como viajava antigamente. O que era chegar a um aeroporto de um país desconhecido, onde se fala uma língua diferente, e tentar seguir de comboio. A aventura que era comprar o bilhete, descobrir qual a plataforma seria a correcta. Descobrir, por sorte depois de chegar ao destino, que devia ter picado o bilhete. Receber as instruções todas por telefone, ainda em casa, sem hipótese de confirmar mais tarde, em cima da hora, quando as dúvidas ocorressem.
Lembro-me das primeiras vezes que viajei sozinha "para fora". Já havia internet, na faculdade, já se tinha acesso em casa também, com um modem analógico que se ligava pela linha telefónica. Antes de sair de casa imprimi o mapa do metro, as instruções para apanhar o comboio que ligava o aeroporto ao centro da cidade, o mapa da zona onde iria chegar, onde assinalei o caminho para o sítio onde ia dormir. Já devia ter telemóvel, um tijolo comparado com os de hoje, mas o custo das chamadas em roaming era proibitivo. E ainda assim, também entrei no comboio com o bilhete por picar. Quando me avisaram que tinha que picar o bilhete, já ia tarde para sair do comboio, picar o bilhete, e voltar a entrar. Arranjei uma solução: escrevi a data e a hora com uma caneta. Nunca soube se os revisores aceitariam o meu bilhete ou não: ninguém me perguntou por ele.
Mais tarde, fico por minha conta, sem boleia, e encontro marcado para mais tarde. Computador na mão, google maps numa janela, site dos transportes públicos no outro. Viajo virtualmente desde a minha cadeira até ao meu destino, decido a que horas quero ir. Nem me passa pela cabeça por um instante que me engane no caminho. Sei que irei direitinha aonde quero.
De manhã, tive um regresso ao passado. Uma viagem de carro, sem ter bem a certeza do caminho, em que a minha condutora decidiu por várias vezes parar para perguntar o caminho. Fosse eu sozinha a conduzir e teria desistido. Voltado atrás - ou procurar wifi - e pesquisado o caminho certo no telemóvel. O mais engraçado foi notar, ao chegar ao destino, a quantidade de gente que claramente estava meio perdida.


07 setembro 2015

Nut free

A escola da miúda manda uma circular a avisar que "our school remains nut-free". Lembro-me que no Natal do ano passado a pequena me chegou a casa com amendoins e nozes que não mandei com ela, recordo as vezes em que lhe meti frutos secos no lanche, e chego à conclusão que o que não querem na escola é malucos. Acho bem.

28 agosto 2015

Instagram

Há coisas às quais chego tarde. Séries, sítios, actividades. O instagram foi e veio - tive uma conta há anos, fechei-a por causa das políticas de copyright, e agora abri outra. Por causa da Sílvia, que volta e meia recomenda um ou outro instagrammer, e porque gosto de imagens bonitas. Quem não gosta.
Volta e meia passo horas infindas a cuscar o instagram. Às vezes fico em choque com a quantidade de informação que é publicada numa conta - a vida documentada ao pormenor, onde se está, com quem se está, quase em tempo real, uma situação que levaria qualquer um a pensar se isto não será arriscar demasiado. Outras vezes, cusco uma conta de uma ponta à outra, só porque é interessante para lá do mundano, do dia a dia. Há gente mais ou menos artística, fotos mais reais, mais cruas, outras muito trabalhadas, outras conceptuais. Há colecções por hashtags muito engraçadas. Noutro dia apeteceu-me fotografar pin y pons da minha filha e colocá-los no instagram, e descobri que há gente que se dedica a isso, a colocar fotos de pin y pons on tour. Um bocado Amélie Poulain e o gnomo.
Hoje, encontrei a Olivia Locher. Fotógrafa de profissão, com colecções interessantes como a #ifoughtthelaw, com fotografias sobre as leis mais estúpidas dos EUA. Vou passar o resto do dia por lá.


19 agosto 2015

Herói do dia, herói todos os dias

Hoje de manhã matutava na possibilidade de escrever um post sobre o nadador salvador da minha praia. Que não é o mesmo do ano passado. Na verdade, pensava numa série de posts sobre pessoas que me fica(ra)m na memória, por um motivo ou por outro, anónimos que poderiam ser as personagens de um livro que nunca irei escrever.
Na falta de uma caneta, mas com papel à mão, corri ao bar da praia para pedir uma emprestada. A dona é amorosa, se um dia escrevesse esta série, também haveria um post (um capítulo) para ela. Tomei nota das palavras-chave - já foi tempo em que escrevia posts em papelinhos - e voltei para a toalha. A praia em Agosto é cansativa. Muita gente, muito barulho, muita coisa a acontecer. Ainda assim, retomei o meu livro. Eu sempre tive facilidade em abstrair-me do mundo à minha volta quando estou entretida.
Mas a praia hoje foi diferente. Não por causa dos estrangeiros, não por causa dos emigrantes, não por causa das famílias. Nem por a água estar gelada, e a temperatura do ar estranhamente abaixo do normal para a época. Eu nunca tinha ligado para o 112. Hoje foi o dia.
O nadador salvador da minha praia, hoje, é um herói. Ele, e mais algumas pessoas, salva vidas com variadas profissões. O 112 demorou imenso a chegar. Longos, incontáveis, extensos minutos. Treze, desde a minha chamada, que não tinha sido a primeira. O senhor que se sentiu mal na água, provavelmente teve muita sorte. Se tivesse que escolher o local onde me aconteceria o mesmo que a ele, não faria melhor escolha. Praia em Agosto. Um sítio mais suave onde aterrar, ajuda médica concentrada, pois médicos, enfermeiros, e pessoal do INEM também vão à praia em Agosto. E nadadores salvadores, com uns músculos invejáveis, essenciais para ir buscar quem se esteja a afogar, e incansáveis a salvar vidas.
O nadador salvador da minha praia é um herói todos os dias, por outros motivos também eles nobres. Mas hoje, que saí da cama a pensar em escrever um post sobre ele, é um herói mais público. É bom saber que há heróis por perto.


07 agosto 2015

À procura de paraísos

um ano atrás dois anos, mais coisa menos coisa, por causa de uma coisa que vi num blogue, meti-me pelas estradas menos percorridas e fui parar ao paraíso. No meio de aventuras e desventuras, enquanto procurava uma coisa específica, encontrei tudo o que não estava à espera. Fiquei perto, muito perto, do objectivo inicial, mas no final não consegui fazer exactamente aquilo que queria. Fiz outras coisas, e foi mesmo muito bom.
Desta vez, pelo espírito de aventura, procurei uma coisa na net, e fui à procura dela. Claro que não esperava que a aventura, em pleno Algarve, fosse igual. No entanto, também encontrei algo bem diferente do que tinha planeado.

Fonte Grande

Os paraísos do Algarve, desconfio, só o são dez meses por ano - Agosto não é um desses meses. Ainda assim, pode ser bem divertido tentar encontrá-los. Virtualmente, a Fonte Grande tinha óptimo aspecto. E provavelmente tem-no todos os dias, antes de chegar toda a gente, ou no resto do ano. Em Agosto, com quase quarenta graus, é apenas um sítio bonito, com pedras giras e uma arquitectura muito engraçada, um café salvador, água a refletir o verde do fundo e coisas amareladas a boiar (algas? partes de árvores?), árvores e imensas pessoas. Na verdade exagero, não era assim tantas como isso, simplesmente quando encontramos o paraíso não estamos a contar que tenha havido outras almas à procura do mesmo. (Ingenuidade minha, claro.) E a fazer churrascos. Na verdade, a Fonte Grande é um local giríssimo, com imensos sítios onde estender a toalha, mesas de piquenique, pormenores pitorescos para tirar fotografias. Gostava era de ter lá ido numa altura mais calma, para aproveitar melhor. Ou ter levado uma bóia gigante, e sandálias de borracha.

Fonte Grande

Assim, peguei no rapaz e fui até à Fonte Pequena, ali ao lado. Uns minutos a andar debaixo de um calor abrasador, porque tinha mesmo que ir ver. E em chegando lá, beber uma água que me soube pela vida, só para não desidratar. Fiquei com pena de o restaurante-bar-pool estar fechado. Aquilo tinha muito bom aspecto no google earth.

Fonte Pequena

Fonte Pequena

A morrer de calor, e sem coragem para me lançar às águas verdes, desisti e decidi acabar o dia na praia. Mas para não dar a aventura por terminada não usei o GPS. Havia de dar com uma praia, não é assim tão longe. Mas foi. E as estradas estreitas não ajudaram à velocidade, mas compensaram em beleza. Já não se fazem estradas onde valha a pena olhar para a paisagem. As estradas municipais por onde segui eram uma delícia. E um perigo - dificilmente passam dois carros em sentidos opostos. A cereja no cimo do bolo foi quando o trânsito foi interrompido por um rebanho. Há anos que isto não me acontecia. Depois das cabras, lá fomos dar à praia. Um mergulho para terminar o dia, e seguir para o jantar. Uma aventura a não repetir (nestas condições), mas ainda assim, muito divertida.

meh

03 agosto 2015

OCD (isto está mesmo limpo?)

Ofereceram-me uma máquina fotográfica especial. Eu que estava habituadíssima às compactas, de levar no bolso ou na carteira, de repente passei a ter nas mãos uma máquina mais pesada, acompanhada de um sem fim de traquitanas. Ele é uma bateria extra, um paninho para limpeza, outra lente, uma tampinha para isto, uma tampinha para aquilo, uma mala malinha para meter a tralha toda. A minha coisa favorita é o barulho que faz quando dispara. E desfocar o background se eu quiser. O meu ódio de estimação começa a ser a limpeza desta máquina do demo. Tudo começou com a primeira vez que troquei a lente. Ah e tal, isto até é fácil, e assim fico com uma imagem melhor do edifício lá ao longe. É o ficas. O que obtive foi uma quantidade enorme de imagens com o que parecem micróbios a flutuar. Uma placa de petri com uma imagem de fundo. E o pior de tudo é que só reparei mais tarde - centenas de fotos possivelmente giras depois. E a partir daí começou a obsessão da limpeza. Como é que se limpa esta cena? Paninho de microfibra não chega. É na lente? É no sensor? É por dentro ou por fora? Descubro a sujidade à noite, limpo como posso, de dia verifico, após fotos de teste (céu azul, era bom, era), que ainda há ali qualquer coisa. Desmonto, limpo, monto, novos testes. Ainda há ali uma micropartícula a estragar tudo. Desmonto outra vez, limpo, acho que estou a ver uma micro coisa, sopro em desespero de causa, monto, volto a testar, maldigo a minha sorte e a minha visão apurada, vou à net. Primeiro pesquisar como é que se limpa uma máquina destas. Depois de uma página com os cinco modos de limpar uma máquina fotográfica destas, que aconselha cinco tipos de produtos diferentes (e todos caríssimos), dos quais "soprar" apenas é indicado como altamente desaconselhável, e possivelmente suicida, encontro outra página que conta as desventuras dos utilizadores da minha máquina e de sucessivos envios para a marca para limpeza, por preços que quase dava para comprar uma máquina nova. E eu a ver a minha vida a andar para trás em alta velocidade. Do género "mas porque é que eu não me lembrei que se calhar isto de mudar de lentes era má ideia" e "mas como é que eu não procurei primeiro como é que se limpa esta treta antes sequer de abrir a embalagem". Tortura. Tanto que decido procurar o manual. O MANUAL. Apesar do que ouço em contrário, não conheço engenheiro que se preze que leia o manual. É preciso estar muito aflito e já ter tentado tudo. Uma máquina bem feita não precisa de manual. Bem, esta precisava, quanto mais não fosse para descobrir como é que se limpa, que a bem ver, não é propriamente uma questão de engenharia. A porcaria do manual tem mais de 400 páginas - está-se mesmo a ver porque é que nunca leio manuais - deve ser por isso que hoje em dia eles já nem vêm embalados com os aparelhos. Felizmente a versão electrónica dá para pesquisar, pelo que rapidamente dei com a página das limpezas. A má notícia é que preciso uma geringonça que eu, obviamente, não tenho. A boa notícia é que ao menos não tenho que "investir" nos outros quatro produtos de limpeza do outro site. A notícia frustrante é que a máquina tem limpeza automática, mas talvez fosse tarde demais, talvez seja apenas propaganda.
Daqui para a worten - porque a fotosport não me atendeu o telefone - que é uma loja grande e vende todo o tipo de cenas eléctricas. Bem, todas não, se precisar de um transístor, uma resistência ou um díodo não me safo ali, mas para material de fotografia, acreditei que tivessem o básico. De repente um kit de limpeza passou a ser básico para tirar fotografias. Lá passo vergonha em frente ao empregado - que eu não tinha tempo para pesquisar a loja toda à procura de material de limpeza. Não sei como se chama o que eu preciso, mas é uma coisa para soprar ar para o sensor. E não, não pode ser ar comprimido, é uma coisa manual. O que me valeu é que ele não se riu. Eu devia estar com um ar mesmo desesperado. Lá trouxe então um "fole" - não estou a gozar, é mesmo assim que se chama.
Limpei a parte de dentro, de fora, soprei, agora devidamente, tudo quanto era vidro, voltei a montar tudo, limpeza automática, e tirei fotos. Ainda havia coisas na imagem. Outra limpeza, e agora sim, parecia estar tudo bem. Finalmente.
Entretanto com esta história toda fiquei paranóica. Cada vez que toco na máquina tenho que verificar se há fantasmas na imagem. Pior, quando descarrego para o computador, vou procurar mais fantasmas. E finalmente, o écrãn do meu computador também não é a coisa mais limpa que possam imaginar. De modo que eu já vejo micro sujidade em tudo quanto é superfície. Ando com um paninho atrás sempre que vou ver "as fotos". Começo a ter medo de tudo neste processo. Desde o início, tirar as fotos com a máquina (e verificar que não há nada a estragar a imagem), verificar se a imagem não se altera entre o antes de carregar no botão e o depois (sinal de sujidade dentro da máquina), até ao depois, a procura obsessiva por pontos, ou riscos, ou anomalias na imagem primeiro no LCD da máquina, depois no computador. E tentar não ficar paranóica quando nesta última fase encontrar um pontinho no mesmo local em todas as imagens - afinal, pode ser apenas sujidade do écrãn do PC.
Acho que vou voltar à minha máquina compacta. Ao menos essa resiste a tudo.


21 julho 2015

Munique ao fim da tarde


Está um onda de calor impossível. Vinte e dois graus de mínimas à noite, trinta e vários durante o dia. Um sol quente, dias para passar dentro de água fria, ou de locais climatizados. Ouço mães às compras para os filhos, fartos de lojas, argumentar que não se vão despachar porque está muito calor fora de portas. Onde houver ar condicionado, está ligado no máximo.
Dias de gelados, muitos gelados, e batidos, e garrafas de água. Pessoas que sofrem insolações, desidratação, colapsam a meio do dia. Cenários estranhos no centro da Europa.
E em dias assim, mais um insólito. Passar por uma ponte e ver oito músicos pendurados. Sentados, empoleirados, a tocar trompetes e saxofones. Vestidos de preto. Ao fim do dia, trinta e dois graus, há quem se lembre de se vestir de preto e empoleirar-se ao sol numa ponte de metal a tocar umas musiquinhas. Só para a produção fotográfica, está bom de ver. Podia ter atravessado a ponte para tirar a foto do mesmo ângulo do fotógrafo deles, mas não me apeteceu. O insólito, para mim, era o conjunto todo. Contra-luz, uma banda de metais, um fotógrafo, um assistente, umas pessoas a passar. Fotografei com o telemóvel, não queria perfeição. Tomei todo o tempo que precisei à espera que os carros não atrapalhassem a foto. Uns minutos a clicar, sem ver nada no écran, a sorrir e a rir-me para dentro da minha figurinha, e da deles. E contente, por ter tempo para isto. Há coisas curiosas nesta cidade, mas nem todos os dias tenho uns minutos para as apreciar.

18 julho 2015

O tempo não dá para tudo


Às vezes tenho vinte e quatro horas num dos meus sítios. Ir, estar, voltar. Uma correria. E enquanto vou e volto, aproveito os minutos todos, não me escapa um segundo que seja. Quase nem durmo, nessas alturas. Uma hora para isto, uma hora para aquilo, meia hora para aqueloutro. Uns minutos para ver uma coisa que nunca tinha visto. Um almoço naquele sítio que já está lá há tanto tempo mas nunca tinha tido oportunidade de conhecer. Apanhar sol, sentir a brisa do mar. Comer um fizz limão. Experimentar uma gelataria nova, mesmo que que já seja o segundo gelado em poucas horas. Trocar de sapatos e de roupa porque quando se vive assim intensamente, uma muda de roupa não chega para um dia. E depois, à noite ainda dá para beber um copo. Mesmo que depois não se durma, afinal, está na hora de abalar outra vez.
Num destes dias, aprendi que às vezes têm que se limpar as lentes.

19 junho 2015

Um momento de quase perfeição

Há dias em que está tudo bem. Dias em que não custa acordar cedo, o corpo coopera, a temperatura é a certa mesmo que estejam 30 graus e esteja a trabalhar sem ar condicionado. Há dias em que o espírito da minha vida me acompanha de manhã até à noite, e me envolve num abraço apertado todo o dia. Há dias em que está tudo certo, as pessoas, as conversas, a comida, a roupa, os sapatos, o ambiente. Há dias em que até o que corre menos bem é maravilhoso, em que uns saltos agulha enfiados na calçada são apenas um motivo para sorrir. Dias em que estou aqui quase só para ajudar, e ao mesmo tempo recebo tão mais do que aquilo que dou. Há dias em que me lembro de todas as coisas que fazem parte de mim, e essas coisas estão todas à minha volta, por um dia. Há dias em que me lembro onde pertenço, onde sou gente, onde me conhecem e onde me reconheço. Há dias em que me lembro como é bom encontrar pessoas que conhecem os meus semelhantes mais próximos. Há coisas nesta lista que para o comum dos mortais fazem parte do dia a dia. Há outros que já não têm oportunidade de ter dias assim. (Nunca me hei-de esquecer daquele taxista em Munique que fugiu de Sarajevo durante a guerra e me contava que nunca mais poderia voltar ao seu país natal, de onde tinha escapado há uns vinte anos.)
Há dias maravilhosos, dias disto tudo. Dias em que se conseguem encaixar milhentas pequenas coisas que fazem parte das melhores partes de mim. Tão bons que se tornam melhores ainda por acordar cedo e deitar tarde, só para durarem mais.

farol, mar

08 junho 2015

Estou a passar demasiado tempo no ginásio

Acabam-se-me os podcasts. Ou troco o ginásio por outra coisa, ou passo a treinar apenas 15 minutos (dois homens a morder o cão, uma mixórdia, e as curtas dos momentos da manhã), ou então tenho que encontrar podcasts novos. Já experimentei o tubo de ensaio, que não sendo dos meus favoritos, sempre me dá mais uns três minutos e meio. No desespero, descobri que há podcasts de conselhos fiscais (TSF), sobre "a" economia, e imensas coisas de igrejas. Não encontrei os podcasts das aulas de português ou história, embora não tenha procurado muito, acho que não faço parte do público alvo. No fundo sou um nichinho de mercado, eu só queria coisas que me fizessem rir, e disso há pouco. Uns quinze minutos por dia. Cinco dias por semana. Fraquinho, fraquinho.


02 junho 2015

Quatro em um, e um bónus

No último dia de Maio, pela primeira vez, tomei o pequeno-almoço ao ar livre deste ano. O Verão tardou em chegar. Verão, como quem diz, que o Verão aqui, como o conheço, é uma alternância entre dias de 30 graus e sol seguidos de dias de 13 graus e chuva. A Primavera costuma ser mais quente e menos molhada, mas este ano recusou-se a dar um ar da sua graça.

Há vinte anos atrás, mais coisa menos coisa, achava que a CEE era das melhores ideias que os europeus tinham tido. E estava convencida que iriam continuar a trabalhar para que um dia a Europa fosse una. Uma moeda, um sistema fiscal, um sistema de saúde, um modo de vida. Sem fronteiras, sem invejas, sem acusações, um sistema de ajuda mútua. Uns podiam exportar a água que tinham em excesso, em Julho, época das inundações, para os outros que no mesmo mês sofriam com a seca e incêndios. Por assim dizer. Hoje em dia fala-se em saída da Grécia, que entrou antes de nós, e na saída da Grã-Bretanha, membro desde 1973.

Comi as primeiras cerejas do ano, vindas de Espanha. Maravilhosas. E os primeiros morangos do campo aqui perto de casa, os melhores que há, porque são colhidos maduros, e vendidos no mesmo dia. Adoro esta época do ano pelo mesmo motivo que gosto de bolos: é a época das coisas doces. Fruta madura de todo o género. Gelados de fruta fresca, salada de frutas, batidos.

Tudo muda. Aqueles que eram os meus chocolates (bombons) preferidos deixaram de o ser. Só os comia uma vez por ano, pelo meu aniversário, quando um amigo mos oferecia. São de uma loja artesanal que me fica completamente fora de mão, pelo que nunca lá entrei, embora saiba precisamente onde fica. Entretanto descobri uma outra lojinha de chocolate no centro da cidade, que me fica em caminho de muitas outras coisas, e que tem fila em qualquer altura do ano. Os bombons são excelentes, e têm um sabor mais forte, porque menos açucarados, Feliz ou infelizmente, também não é sítio por onde passe frequentemente, nem coisa de que me lembre todos os dias, porque senão  passava a rebolar em vez de andar. Mas um dia não são dias, e em doses moderadas, com certeza que não há nada que faça mal.

Para rematar, em jeito de bónus porque tenho andado de fugida. Se se encontrarem de férias, ou sem nada para ler, levem o crime num quarto fechado. É um bom policial norueguês, passado uns anos depois da segunda guerra, empolgante e envolvente. Só tem o defeito, para mim, de se esforçar demasiado em manter quase todas as pontas soltas por demasiado tempo, e no final, acabar por se perceber um pouco cedo demais exactamente como é que aquilo aconteceu. Catorze valores. Quinze, vá, porque a capa é bonita e vem com um pacote de chá.

22 maio 2015

A cozinhar como em 1993

Hoje em dia há tantos programas de culinária que já todos devíamos ter aprendido a cozinhar como um chef Michelin. Infelizmente, eu, pelo menos, acho que a cozinha se tem tornado complicadíssima. Por um lado, nunca gostei de cozinhar (eu é mais bolos, gelados e algumas sobremesas). Por outro, nem sequer gosto de uma grande parte dos ingredientes da cozinha moderna. Quando eu era miúda ninguém usava curgete, aipo, ou beterraba, beringela era apenas um vegetal com uma cor gira para desenhar e pintar, e as natas vinham de se ferver o leite que vinha do agricultor e só eram usadas para fazer mousse de chocolate. O leite não entrava na composição de pratos de almoço ou jantar - só nas sobremesas - e o mesmo se aplicava às natas e ao queijo.
Uma das minhas minha avós cultivava tremoços. Colhia-os na altura certa, cozia-os e punha-os em água com sal, que ia mudando todos os dias, até que estivessem curados. Eram tremoços enormes, e eu comi-os em quantidades industriais sempre que os havia. Lembro-me de encher um prato de sopa de tremoços e sentar-me em frente à televisão a comê-los como se fossem pipocas.
As minhas duas avós tinham azeitonas, que também curavam em casa - e de que nunca gostei. Só hoje em dia ganhei o gosto por um tipo de azeitonas, as verdes. Às vezes amigos meus sonham acordados com oliveiras, e terem as suas próprias azeitonas. Quando lhes explico o processo de cura das azeitonas, mesmo sem entrar em pormenores de talhas fechadas com azeitonas e água bolorenta - desistem da ideia. Há árvores que dão menos trabalho. Laranjeiras, por exemplo.
A culinária em si, é toda uma outra história. Eu sei que antigamente havia coisas muito complicadas. Lembro-me de ver a minha vizinha cortar o pescoço a uma galinha e depená-la. Uma canseira, para um animal que dá apenas uma refeição. E matar um coelho e tirar-lhe a pele? E estes eram animais do mais "biológico" que pode haver, viviam ao ar livre a maior parte do tempo, não levavam antibióticos e a comida era da horta, sempre que a houvesse. A ração era cara. Mas ovos, leite, legumes e fruta havia sempre com fartura, azeite, azeitonas, e enchidos eram coisas que faziam parte de qualquer despensa. Batatas, legumes, e carne eram básicos. Salada e sopa também. A sobremesa de todos os dias era a fruta da época - e a fruta era madura e saborosa.
Agora há receitas com três páginas A4 e letra miudinha. Há quem tenha paciência para estar na cozinha três horas a produzir obras primas. Eu desisto ao olhar para a lista de ingredientes.
Há  concursos de culinária onde miúdos de dez anos fazem coisas que eu quando muito apenas almejo comer. E programas onde se fazem sobremesas complicadíssimas.
Esta modernidade toda contribui para me convencer que a cozinha não é para mim. Para provar estou cá eu, para fazer... esqueçam.
Resta-me a RTP memória, e cozinheiros como o Chef Silva, para me fazer sentir melhor. Caramba, o Chef Silva cozinha coisas em frente à televisão que eu também seria capaz de fazer, e de comer. Faz sobremesas como as minhas. E a apresentação dos seus pratos, não é bem uma obra de arte - o que importa ali é o sabor. Vejam este bacalhau com broa no forno. Não leva nenhum ingrediente que a minha avó não tivesse disponível.
E felizmente, há a internet, o maior livro de receitas do mundo, com índice por ingredientes, nome do prato, ou até evento ou o que nos lembrarmos de escrever na barra de pesquisa, devidamente acompanhado da palavra "receita". E foi aí que encontrei um dos melhores bolos de chocolate de sempre, o chocolate blackout cake - que me demora 3 horas a fazer, e por isso só sai uma vez por festa, mas é maravilhoso e vale a pena. Também foi na net que descobri um outro bolo de chocolate que faço imensas vezes, este bolo de chocolate com amêndoa moída, que me demora uma meia hora e é sempre um sucesso.
De resto, cozinhar? Batatas cozidas (15 minutos desde que a água começa a ferver), massa (instruções na embalagem), sopa (3-4 ingredientes base, mais o sal e azeite), salada (lavar, secar, temperar), e carne temperada grelhada. Ou ovos - estrelados, cozidos, omeletes. A minha sorte é ter um cozinheiro de mão cheia em casa. Mas sem ele, também não morreria à fome.

20 maio 2015

olha a nova do google

Se experimentarem comentar em blogues com verificação de comentários por estes, dias, descobrem a nova maneira de identificar humanos. Agora em vez de adivinhar letras, têm um jogo daqueles que se dão a miúdos da pré-primária, do tipo: assinala todas as imagens da mesma família. Deve ser a maneira da google melhorar os seus algoritmos de pesquisa de imagens. Para já só me saiu a identificação de cervejas. Nas imagens havia café e vinho. O que virá a seguir.

A TAP e as greves

Por estas semanas sinto-me como se fosse a última pessoa que gosta da TAP. Ouço queixas daqui e dali: porque fazem greve, porque é caro, porque isto, porque aquilo. Andam apaixonados pela Ryanair, odeiam a TAP.
Eu gosto da TAP. Pode não ser a companhia perfeita (mas haverá alguma?), pode não ser a mais barata (depende, às vezes até é), pode não ter sempre os melhores horários. Sempre que posso, é com a TAP que vou. Voar com a TAP significa 10-12 horas de férias extra. É que desde que entro no avião em Munique, até que aterro no Porto (a maior parte das vezes), quando vou nesta companhia, já me sinto em casa. Já tenho Sumol e água do Luso. Os pequenos-almoços dos vôos da manhã são por mim reconhecíveis como pequenos-almoços.
Em mais de uma década a voar frequentemente entre Portugal e a Alemanha, houve alguns percalços. Apanhei uma greve no Natal uma vez, que me fez chegar ao destino duas horas mais tarde que o previsto. Na verdade, é tudo o que me lembro. As outras greves ou percalços que me aconteceram não tiveram nada a ver com a TAP.
Como tenho que trocar de avião em Lisboa, só vôo com eles quando a ligação é boa. Os últimos horários implicam tempos de espera em Lisboa de três horas ou mais, e isso para mim é demais. Mas quando o transbordo é entre uma hora a hora e meia, a TAP é a minha preferência. A não ser que possa viajar com a SATA - que é a única transportadora que faz Munique-Porto directo, e me reduz o tempo de viagem para 3 horas. Mas a SATA é o que era a TAP há 10-15 anos atrás. Os mesmos aviões, o mesmo conforto, o mesmo trantamento das crianças (maravilhosos), a mesma comida (boa). Quando vou com a SATA lembro-me de quando gostava de andar de avião, quando as refeições a bordo me sabiam bem.
Gosto da TAP. É a minha companhia número dois, quase só por esta questão do vôo directo. E gostava que continuasse por muitos e bons anos a fazer um bom serviço.

26 abril 2015

Faz-me falta uma amiga

Sabem aqueles desafios de tirar uma foto por dia? Tenho andado a fazer uma experiência do género. Por vários motivos, agora faço auto retratos. Dizem que nunca gostamos quando ouvimos a nossa voz gravada. Deve ser uma questão de hábito. Depois de me ouvir por horas e horas, apenas posso dizer que reconheço a minha voz. Quanto à imagem, a conversa é diferente. Eu não gosto de me ver fotografada. Perco a piada toda, a duas dimensões. Mesmo assim, vou tirando fotografias. À conta disto já descobri que vestir a primeira coisa que me vem à mão de manhã quando ainda estou meia a dormir pode não ser sempre a melhor das ideias. Mas também sei que não é por isso que vou escolher a roupa antes de ir dormir. Os auto-retratos podem servir para isso. Como não tenho uma amiga aqui à mão, uma daquelas amigas brutas que te diz as verdades sem lhe passar pela cabeça que podes não achar muita piada a certas verdades, tiro fotos. Brutais. Aquela camisola branca que eu adoro é um desastre com aquela saia azul e branca (a que fica um espetáculo com o top azul). Talvez a use com umas calças para a próxima. Os sapatos de vela podem ser muito confortáveis, mas ainda não sei se realmente ficam bem com alguma coisa.
Podia ver-me ao espelho. E acho que até vejo, mas não é a mesma coisa. Antes das dez da manhã não vejo bem, é um problema dos meus olhos, que ficam meios fechados até ao café. À hora do café finalmente acordo. E a essa hora não há tempo de olhar para espelhos, ou trocar de roupa.

As amigas que tenho por cá não ligam nada a essas coisas. E eu também não, a maior parte das vezes. No entanto, há alturas para tudo, incluindo recalibrar o guarda-roupa. Continuo a usar maquilhagem três vezes por ano. Nunca vi o fim a uma embalagem de base, um batom, uma sombra de olhos, um verniz. Mas tenho de me vestir todos os dias.


20 abril 2015

Troca palavras

Às vezes sai-me uma ou outra palavra em inglês no meio de conversas em português. Não é problema de tradução, de já não saber como se diz, de não me lembrar da palavra que queria dizer. Nada disso. Há palavras que me fogem pela boca sem que eu queira, escapam-se e pronto. Uns "if", uns "but" outras mais compridas e que me saem assim tão rapidamente como um "if" ou um "but". Não me consigo travar, fico chocadíssima comigo mesma ao mesmo tempo que me foge a palavra. Ainda consigo num microsegundo pensar se hei-de corrigir para o que realmente queria dizer, e no microsegundo seguinte decido fazer de conta que nem dei por nada, meia bola e força, continuo o discurso. É de falar depressa, com certeza. Pois se os até os anglicismos que se tornaram corriqueiros me continuam a arranhar os ouvidos. Não, não tenho dúvida nenhuma, é de pensar tão rapidamente em português como em inglês.

(Já o francês e o alemão só saem ponderados, por opção em utilizar uma determinada palavra que traduzida dificilmente tem o mesmo significado ou peso.)

15 abril 2015

Verão por dois dias

Dois dias de sol maravilhoso, quase verão, e no fim de semana vem o inverno outra vez. Não sei se sofra por antecipação, se por ter que trabalhar em dias assim.
Os alemães têm o "hitzfrei": quando está muito calor, as escolas fecham. Infelizmente não há hitzfrei para quem trabalha e não é professor, o que está mal, muito mal. Na minha terra tínhamos os dias de neve, se nevasse não havia escola, porque os autocarros e os carros dos professores que vinham de longe não passavam nas estradas.
Ao menos podemos tomar café na esplanada, ou almoçar ao sol.

06 abril 2015

Ai, o Porto

Uma semana de férias, volta a Portugal em 2000km. Mais coisa menos coisa. É sina de emigrante, o tempo nunca chega para tudo o que se quer fazer - não cheguei a ir à minha sapataria favorita, nem à minha esteticista amiga, não fui à loja de tecidos, nem ao meu pedaço de rio - e o pouco que se tem é vivido intensamente. Uma semana depois, preciso de férias das férias.
Trás-os-Montes, Porto, Coimbra, Lisboa, foi para o que deu. Sinto-me em casa em praticamente todo o lado em Portugal, mas por mais que os anos passem, por mais que a visite, Lisboa não é a minha praia. Do país inteiro, é o único sítio onde não tenho vontade nenhuma de viver. E, ironicamente, talvez seja a cidade onde mais provavelmente teria que viver se de repente decidisse arrumar a tralha e voltar.
O sol a brilhar o tempo todo, a família, os amigos que deu para ver, gente nova, dias maravilhosos. Um único dia que soube a férias, apenas a isso, sem correrias para lado nenhum, no meio dos meus montes (ai, também não fui ao meu café favorito no meio da serra, e não tive tempo de ir buscar um jesuíta à pastelaria, nem comer um bolo de côco dos da minha infância, que só há numa única padaria).
Uns dias no Porto, ao sol, a baixa, a Foz, os turistas. Tantas lojas novas, tantos cafés, bares e restaurantes novos, o Porto está tão diferente, para melhor, mais novo, renovado. Sim, também mais caro, aliás bem mais caro, está-se a tornar uma cidade de turistas. Ainda assim, ainda há espaço para todos, sem que nos sintamos invadidos. Para já, pelo menos. Isto em Março, Abril, talvez no verão a coisa mude completamente.
A baixa está resplandecente, os tripeiros, na mesma. Tão depressa de uma simpatia extrema, como de repente de uma sinceridade desarmante. Queria uns vestidos em tons de vermelho, para as minhas meninas das flores "vermelho não é cor para casamento!" anunciam-me alto e bom som. Oh minha gente, mas eu pedi a opinião sobre as cores a alguém? "Vermelho é uma cor muito agressiva, não pode ser!", e já agora, para que não sobrem dúvidas, "preto também não dá!". Na minha mente passeiam cadeiras pretas com laços vermelhos a enfeitar. Esta malta é incrível. O vermelho pode ser agressivo para alguns, mas é a minha cor preferida, o casamento é meu, eu é que sei. Engraçado, no entanto, que não apliquem a lógica até ao fim, pois se eu escolhi uma cor agressiva é provável que me esteja nas tintas para a opinião de terceiros. Não levo a mal, as pessoas falam antes de pensar, sem intenção de insultar ou magoar - ainda sei interpretar a diferença.
A foz, maravilhosa, como sempre, cheia de cor, cheiro a mar, ondas a bater nas rochas, continua a ser um dos meus sítios favoritos. Nada como sentar à beira mar a olhar para as ondas, sentir o sol no corpo... e apanhar um escaldão de inverno. Bolas, eu já devia saber, acontece-me sempre isto. Almoço na Casa Vasco, um sítio novo super simpático, comida pouco tradicional, sobremesa divinal. Tinha visto a dica no casal mistério, e não podia deixar escapar a oportunidade, estando ali tão perto. Já agora, a minha impressão: a minha tarte de maçã veio com gelado de morango e menta, ambos maravilhosos, e a limonada sem açúcar tinha um intenso sabor a limão. Podia parar lá só por estas duas coisas.
Tão pouco tempo, tão aproveitado. Ainda deu para escolher e comer laranjas do algarve, e trazer pão e miniaturas da pastelaria à beira de casa, tudo tão bom. No final, sempre a mesma pergunta, tenho mesmo de ir embora?


05 abril 2015

Dias de sol

Na minha terra, passeio de calções e t-shirt pela rua. Ficam todos a olhar com ar de espanto. Estão 24 graus. Eu uso o método científico para me vestir: acima dos 20 graus é t-shirt e pernas ao léu, com um casaco se me parecer necessário. Para lá do Marão, o ano divide-se em nove meses de inverno e três de inferno. Se o inferno ainda não chegou, deve ser inverno. Anda tudo de camisolas e sobretudo. Menos eu. Fui para fora, agora, quando venho, é só para ver a bola. É como se tivesse vindo do estrangeiro, o ar com que olham para mim. Quero lá saber. O sol está quentinho, e o céu azul. Paraíso.


17 março 2015

A baixa já não é o que era

Vou à baixa - a St.a Catarina cá do burgo - poucas vezes. Contam-se pelos dedos das mãos as visitas anuais. Não é porque fique longe e fora de mão, é porque a baixa é estranha. Para começar é sítio de turistas. Nota-se, a malta por ali tem um ar diferente, um vagar no passo, um olhar curioso. Os locais passam a correr, por necessidade da vida do dia a dia. Outros utilizam-na para se manifestar. Há sempre qualquer razão para protestar, megafone na mão, meia dúzia de pessoas que querem chamar a atenção, meia dúzia de polícias a olhar. Passo ao lado, não tenho tempo, a maior parte das vezes nem percebo o porquê destas manifs.
 Vou poucas vezes à baixa. Antes do Natal, quando tenho que tratar de burocracias ou ir ao médico. Quando posso, aproveito para dar umas voltas. Estranho sempre. Há anos que aqui moro, sinto que devia conhecer a baixa como a palma da mão. Saber de cor as lojas todas entre a Karlsplatz e a Marienplatz, dos dois lados da rua, transversais incluídas. Não sei. Não por falta de interesse, curiosidade ou atenção. A baixa de Munique é como uma cobra, troca de pele frequentemente. Ao longo dos anos apareceram e desapareceram as minhas lojas favoritas. Cada porta que trespassei tantas vezes com gosto, mais tarde ou mais cedo acaba por dar lugar a uma loja nova que não me interessa. Uma ou outra excepção, rara. De cada vez que preciso de uma coisa daquelas que só há na baixa, quando lá vou, descubro que já não há. Aquela loja onde podia ir comprar uma fatiota de emergência, com preços em conta, que não tinha 500 filiais pelo país? Desapareceu. A outra onde comprei a minha melhor escova de sempre, que perdi numa mudança, deixou de vender escovas de cabelo. O meu sítio favorito para pechinchas? Agora é uma loja de electrodomésticos.
Estranhamente, a única coisa que parece aguentar o teste do tempo é a restauração. Em alguns casos, incompreensivelmente.
Peço uma boleia. Que me venham buscar ali à beira da farmácia, onde há um parque de estacionamento. Havia um parque de estacionamento, da última vez que ali passei. Agora é uma porta enorme fechada, e uma pequena loja de arte ao lado (fraquinha, muito fraquinha). Não há referências. Depois destes anos todos, descubro finalmente onde fica a porta do Lenbachhaus. E um monumento que nunca tinha visto - só lá está há mais de sessenta anos.

10 março 2015

É só futebol - mas a vida também é assim

Lá porque normalmente não dou porrada, não quer dizer que não saiba dar. Lá por habitualmente não encostar em velocidade, não quer dizer que não alinhe num bom encosto. Lá porque não costumo bloquear o caminho ao adversário, não é porque não seja capaz de o fazer. E bem.
Pode ser só um jogo. Pode ser a menos que feijões. Mas eu vou até onde vocês quiserem ir.
(Mas cuidado, malta, não vale a pena irmos todos parar ao hospital. Já bem bastam as unhas negras e os hematomas semanais.)

(E os dias em que estamos completamente em sintonia? Passe - golo, passe - golo, canto bem apontado - golo. Há duplas incríveis. Sabe tão bem jogar assim.)

26 fevereiro 2015

Tarefa 1, check

Pronto, já está. Para celebrar o período prolongado em que não tive disposição mental para fazer outras coisas, estou a pensar em fazer uma aldeia para a criança. Com legos ou caixas de cartão. Ou as duas coisas. Bonecada não falta, estes potenciais aldeões estão ansiosos por se mudar. E isto tudo só para me ir esquecendo da segunda tarefa em fila de espera.

25 fevereiro 2015

Oferecem-se alvíssaras

Perdeu-se:

a minha capacidade de fazer multitasking

Oferecem-se alvíssaras a quem a encontrar e devolver, sã e salva.

Entretanto, as minhas desculpas, tenho uma tarefa complicada em mãos e não consigo pensar noutra coisa. Quando terminar essa, tenho uma segunda tarefa em lista de espera, mas tenho esperança de que não me tome demasiado tempo. Se entretanto recuperar o multitasking perdido, hei-de voltar a escrever. Como deve ser.

11 fevereiro 2015

Onde é que se vê daqui a 10 anos?

O meu Jon Stewart também vai abandonar o seu Daily Show. É a vida, parece, as coisas se dão em ciclos, e este ciclo está a terminar. Acho que isto explica aquela pergunta clássica das entrevistas, onde é que se vê daqui a 5 ou 10 anos. Jon Stewart faz o Daily Show há 15 anos. O meu Jon, fazia o seu há 10. Agora fará outras coisas, com certeza. E deixa espaço para que outros façam o daily show deles, e lhe imprimam formas novas de fazer humor com as notícias.
Há 10 anos eu não fazia a mínima ideia das coisas que hoje me fazem correr. Não sabia que ia passar serões a estudar, não sabia que me ia sentir insatisfeita com a minha capacidade de me exprimir. Se me tivessem perguntado qual o meu plano para hoje, de certeza que teria atirado ao lado. Muito ao lado. Há 10 anos não sabia o que sei hoje, e nem imaginava que fosse aprender tanta coisa. Há 10 anos não imaginava que 1% ou 0,1% de algo intangível pudesse ser tão importante, que quase pudesse senti-lo a escapar-me entre os dedos.
Há 10 anos fiz coisas que achava brilhantes e hoje acho apenas relativamente boas. As coisas que faço hoje em dia e que me parecem brilhantes, talvez daqui a uns anos passem a ser apenas boazinhas aos meus olhos com mais experiência.
Não consigo imaginar o que quero daqui a dez anos, não em concreto, apenas uns passinhos aqui e ali que me parecem fundamentais no imediato. Aqueles que, podendo ser os passos certos para trilhar um caminho que me leve a algum lado, podem também ser apenas os passos certos para me divertir enquanto não encontro destino.
Devia perguntar à malta mais velha, como é que é. Se passamos a vida a sentir-nos uns miúdos com muito para aprender, por mais que o tempo passe por nós. Se alguma vez passa aquela sensação de que podemos ser desmascarados a qualquer momento, mesmo que sejamos verdadeiros peritos num assunto. Como é que é quando se tem mais 40, 50, 60, e se troca de emprego, de vida, de cidade, de país. Como é que se recomeçam a construir laços. E se vale a pena.

Pensando bem, até sei a resposta a algumas destas perguntas. A felicidade vai-se construindo, sempre.


06 fevereiro 2015

Perder? Nem a feijões!

Imaginem o seguinte jogo de apostas, em que o objectivo é ganhar o máximo de pontos possível. Duas equipas, cada uma escolhe uma cor entre o vermelho e o preto. Se a equipa A escolher o vermelho e a B escolher vermelho, ganham ambas +3 pontos. Se a equipa A escolher preto e a B escolher preto, ficam ambas com -1 ponto. Se uma das equipas escolher vermelho e a outra escolher preto, a equipa que escolheu vermelho fica com -5 pontos e a que escolheu preto ganha +5 pontos.
Separam-se as equipas fisicamente para que escolham a sua estratégia antes de cada aposta. No total apostam dez vezes, em cada vez têm 5 minutos para escolher a próxima aposta.

À primeira vista, diria que a escolha lógica seria que, em cada turno, ambas as equipas apostassem sempre, sistematicamente, no vermelho. Assim ganhariam sempre 3 pontos.

No entanto, se a equipa A escolher vermelho e a B escolher preto, a equipa A perderá 5 pontos, e a B ganhará 5 pontos.

O resultado lógico será então que as equipas escolham sempre preto, por forma a minimizarem as perdas - assim ficam com -1 ponto em cada turno, mas não correm o risco de perder 10 pontos em relação à outra equipa. É de notar que se a equipa A escolher preto e a B escolher vermelho, a equipa A fica com +5 pontos, e a B com -5. Portanto, ao escolher preto, além de minimizar as perdas (o pior resultado é igualar a outra equipa), maximiza-se o lucro possível (se a outra equipa escolher vermelho, fica-se com 10 pontos de vantagem).

Depois desta análise fria e lógica, sobra ainda um pouco de natureza humana. Numa situação deste género, alguns de nós explicariam à sua equipa que o melhor a fazer seria tentar convencer a outra equipa a escolher sempre vermelho. Negociar que ambas as equipas apostassem sempre no vermelho, e assim maximizar o lucro total para ambas. Correndo o risco de ser atraiçoado - que a outra equipa concorde em apostar no vermelho, mas que na hora da verdade aposte no preto - e assim perder; ou, potencialmente, atraiçoar a outra equipa, apostando no preto apesar de ter concordado em apostar no vermelho.

O inexplicável ocorre quando a equipa A tenta negociar com a equipa B. A equipa B recusa-se a entrar em diálogo, porque quer ganhar. A equipa A explica à equipa B que, se não combinarem o que fazer, o único resultado lógico é ambas as equipas apostarem sempre no preto, e irem acumulando perdas ao longo do jogo. Ainda assim a equipa B recusa-se a ouvir, e de seguida aposta no vermelho. A equipa A, incrédula, faz a sua aposta no preto, e ganha 10 pontos de vantagem sobre a equipa B, à qual tinha acabado de explicar a sua estratégia.

Resultado final: pontos negativos para ambas as equipas, equipa A com mais 10 pontos que a equipa B.
Quem ganhou?
A equipa A terminou com mais pontos que a B, mas ambas as equipas terminaram com pontos negativos...
Análise dos comportamentos: a equipa B atribui a culpa à equipa A, por ser demasiado directa na abordagem negocial. A equipa A não compreende porque é que a equipa B, que queria ganhar a todo o custo, se recusou a negociar, e ainda para mais apostou no vermelho, pondo-se numa posição potencialmente perdedora.

Nunca vou ser gestora. Adivinhem lá qual era a minha equipa...

05 fevereiro 2015

A combinação de teclas do ano: Ctrl+Shift+T

Descobri esta no ano passado, juntamente com uma colecção de outras que, apesar de também parecerem muito úteis, claramente não eram suficientemente úteis para as memorizar. Volta e meia estou a ver uma coisa qualquer numa janela do browser, acho que cheguei ao fim, e fecho a janela (Ctrl+W). Ao fechar a janela, vejo pelo canto do olho um link para qualquer coisa que, a posteriori, queria ter lido. Ou então, fecho uma janela acidentalmente. Ctrl+Shit+T restaura automaticamente a última janela que fechámos. Sem ter que ir procurar ao histórico o endereço da página, sem ter que me lembrar como é que lá tinha ido parar inicialmente. Uso isto quase todos os dias. Pode ser que dê jeito a mais alguém.

05 janeiro 2015

É grave, doutor?

Devo estar doente, só pode. Lá fora esta um frio do catano, há neve, vejo um pouco de azul do céu por uma janela, por outra, branco, tudo branco, nuvens sem fim. Por email, recebo a notícia: está aí a primavera. Afinal estamos em fins de Março, mas só a H&M* é que sabe.

*se calhar só a alemã. Mas em Munique, está mais Inverno que em Portugal.


02 janeiro 2015

Nunca mais aprendo (ou a angústia de empacotar a tralha)

Na minha mala devia haver, sempre, uma segunda mala. Quando saio de casa, mala grande meia vazia, devia sempre levar uma segunda mala, vazia, para o regresso. E esta segunda mala devia fazer parte integral da primeira, encaixar na tampa ou em baixo, como aqueles sacos de compras que se dobram até parecer que apenas temos um pacote de lenços de papel extra na carteira. Não sei bem o que acontece durante as férias, mas o milagre da multiplicação ocorre sempre nesta altura: ao fazer a mala para o regresso, parece-me sempre que as minhas coisas triplicaram. A mala que veio vazia está agora a abarrotar, procuro um saco/mochila/mala que possa levar emprestado, e, mais uma vez, pergunto-me, como é que eu não me lembrei que isto me acontece sempre? Todas as vezes. Mal aterro em Portugal, é como se o conteúdo da minha mala expandisse, e de repente, fico sem um espacinho que seja para mais uma coisinha. Nem comprei nada para levar (lá se vai o meu plano de meter umas bolachas maria, um pacote de pensal chocolate, e um ou dois chouriços da minha terra), e já não cabe nem mais um alfinete. A minha mala vai é cheia de saudades, deve ser isso que me ocupa todo o espaço lá dentro.