02 junho 2015

Quatro em um, e um bónus

No último dia de Maio, pela primeira vez, tomei o pequeno-almoço ao ar livre deste ano. O Verão tardou em chegar. Verão, como quem diz, que o Verão aqui, como o conheço, é uma alternância entre dias de 30 graus e sol seguidos de dias de 13 graus e chuva. A Primavera costuma ser mais quente e menos molhada, mas este ano recusou-se a dar um ar da sua graça.

Há vinte anos atrás, mais coisa menos coisa, achava que a CEE era das melhores ideias que os europeus tinham tido. E estava convencida que iriam continuar a trabalhar para que um dia a Europa fosse una. Uma moeda, um sistema fiscal, um sistema de saúde, um modo de vida. Sem fronteiras, sem invejas, sem acusações, um sistema de ajuda mútua. Uns podiam exportar a água que tinham em excesso, em Julho, época das inundações, para os outros que no mesmo mês sofriam com a seca e incêndios. Por assim dizer. Hoje em dia fala-se em saída da Grécia, que entrou antes de nós, e na saída da Grã-Bretanha, membro desde 1973.

Comi as primeiras cerejas do ano, vindas de Espanha. Maravilhosas. E os primeiros morangos do campo aqui perto de casa, os melhores que há, porque são colhidos maduros, e vendidos no mesmo dia. Adoro esta época do ano pelo mesmo motivo que gosto de bolos: é a época das coisas doces. Fruta madura de todo o género. Gelados de fruta fresca, salada de frutas, batidos.

Tudo muda. Aqueles que eram os meus chocolates (bombons) preferidos deixaram de o ser. Só os comia uma vez por ano, pelo meu aniversário, quando um amigo mos oferecia. São de uma loja artesanal que me fica completamente fora de mão, pelo que nunca lá entrei, embora saiba precisamente onde fica. Entretanto descobri uma outra lojinha de chocolate no centro da cidade, que me fica em caminho de muitas outras coisas, e que tem fila em qualquer altura do ano. Os bombons são excelentes, e têm um sabor mais forte, porque menos açucarados, Feliz ou infelizmente, também não é sítio por onde passe frequentemente, nem coisa de que me lembre todos os dias, porque senão  passava a rebolar em vez de andar. Mas um dia não são dias, e em doses moderadas, com certeza que não há nada que faça mal.

Para rematar, em jeito de bónus porque tenho andado de fugida. Se se encontrarem de férias, ou sem nada para ler, levem o crime num quarto fechado. É um bom policial norueguês, passado uns anos depois da segunda guerra, empolgante e envolvente. Só tem o defeito, para mim, de se esforçar demasiado em manter quase todas as pontas soltas por demasiado tempo, e no final, acabar por se perceber um pouco cedo demais exactamente como é que aquilo aconteceu. Catorze valores. Quinze, vá, porque a capa é bonita e vem com um pacote de chá.

2 comentários:

  1. Tendo acabado um da Agatha Christie e querendo continuar no crime, aceitei a sugestão. A versão inglesa não tem uma capa tão bonita, mas não conhecia o autor e o livro promete.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto de Agatha Christie :)
      Boas leituras!

      Eliminar