27 janeiro 2012

23 janeiro 2012

óptimo

Já vi por aí gente a escrever "optimo", numa tentativa de adesão ao acordo ortográfico. Afligi-me momentaneamente. Eu, dinossaura da ortografia, que continuo a escrever óptimo e Egipto e até leio algumas das supostas consoantes mudas, admiti que "optimo" estivesse bem, e perguntei-me onde teria ido parar a regra de que "todas as palavras exdrúxulas levam acento". E por causa da regra, que do acordo hortográfico* não percebo nada, fui ver o dicionário da priberam que, apesar de online e grátis, sempre saberá melhor destas coisas de como se escrevem e escreviam as palavras do que eu. Resumindo e concluindo, escrevam óptimo, como eu, ou ótimo segundo o acordo e teoricamente como o Brasil - se bem que estou capaz de jurar que li em textos brasileiros ôtimo, mas já estou por tudo. Ou então, porreiro pá, fantástico, genial, muito bom, fabuloso, fora de série, maravilhoso.
Será que o bom também é inimigo do otimo?

*sim, é uma piada

17 janeiro 2012

Isto agora e' assim


Encontrei uns objectos pesados para segurar livros (isto deve ter um nome, mas ja' me fartei de procurar e nao encontro) e logo tratei de tirar uma fotografia. E depois, tinha mesmo que brincar com ela. que isto de tirar uma foto e pronto ja' nao se usa, e eu nem tinha mais que fazer (mentira, mentira).

14 janeiro 2012

Orquídea

Uma das tantas que não só se recusa a morrer, indiferente aos maus tratos que leva, e mês apos mês desabrocha. Sem duvida, uma flor com carácter.

12 janeiro 2012

Não há cá molas

Não prendo a roupa a secar com molas. Nunca. Odeio as marcas das molas, odeio a trabalheira que é procurar a mola, prender a roupa, pegar na peça seguinte, mola seguinte, e a decisão: uma mola no canto de duas peças de roupa ou duas molas por cada peça de roupa. E as molas que nunca chegam para que isso seja uma verdadeira questão - se só há uma solução então não se põe o problema. (Quer dizer, matematicamente sim, mas na prática, não.)
A roupa vai para o estendal pendurada a meio, segura-se pela gravidade e aguenta-se porque dentro de casa não há vento, nem correntes de ar. Vantagens, ou desvantagens, de não por a roupa a secar na rua.

No entanto, até tenho molas. Molas giras, pintadas, com bonecos colados. Joaninhas, flores e coisas assim fofinhas. As molas só me servem para segurar as orquídeas. Eu que sempre matei toda e qualquer planta que me aparecesse à frente, por algum motivo finalmente acertei com uma espécie. As orquídeas são fáceis, é uma questão de lhes encontrar o sítio certo, e depois esquecer. Admirar as flores novas, mudá-las de sítio se aquele não está a dar. Na casa antiga era nas janelas viradas Norte. Na casa nova o sítio favorito delas é o parapeito das janelas viradas a sudoeste. Ali se acotovelam (como é que arranjei tantas orquídeas, deve ter sido na espectativa de que morressem rapidamente), crescem umas por cima das outras. Brancas, amarelas, e quase cor de rosa. Quando dou por ela já estão a deitar caules novos, ou têm novos rebentos que irão originar flores. E pensar que em tempos só me dei bem com cactos.

coisas que preferia nao saber

Um gajo pode-se aleijar a serio a tentar endireitar uma ficha micro-usb torta. Tenho dois micro furinhos no dedo a comprova-lo. Doi que se farta.

10 janeiro 2012

Ano novo na terra das salsichas

Para já, a maior diferença é que aqui as pessoas se atrevem a desejar feliz ano novo umas às outras. Na terra do sol só querem é que passe depressa.
Saudinha, como diria a minha madrinha adoptada, saudinha.

Resoluções de ano novo

Cozinhar (bolarar) menos. Por muito divertido que seja fazer bolos, por muito deliciosos que saiam, parece que o açúcar faz mal e a manteiga também. Gemas de ovo são absolutamente fabulosas mas também fazem mal ao colesterol.

Em alternativa, levar os bolos ao vizinho ou para o trabalho. O mal distribuído torna-se mais fácil de suportar.

Ah, o cheirinho e tal...

A árvore de Natal caiu. Morreu de calor, secou completamente e desfez-se. Para o ano, plástico.

05 janeiro 2012

Esta'-se tao bem aqui ao sol

Sou um gato. Sou como um gato. Um gato com dono, que nao tem que procurar comida, vai 'a casa de banho, que se estica ao sol e dorme uma soneca no quentinho. Independente como um gato, preguicosa como um gato.
Maravilha. Ha' la' nada melhor que uma soneca ao sol.

04 janeiro 2012

Bem escondido

Nao consigo encontrar a minha copia d'"O Economista Disfarcado". O livro e' muito bom, tao bom que alguem o levou "emprestadado". Raio de economia.

O inicio do fim

Arrumei a roupa suja. Ja me estao a por fora de casa. Ainda nao, antes dos reis nao arredo pe daqui. Podia estar mais quentinho, sim, mas estou aqui muito bem.

O chrome nao tem spellchecker. De qualquer modo, isto desde o (des)acordo ortografico nunca mais foi o mesmo.